quarta-feira, 8 de outubro de 2008

Ferrovia suíça é declarada patrimônio cultural mundial





ENQUANTO NA EUROPA SE DECLARA A FERROVIA PATRIMÔNIO DA HUMANIDADE, AQUI NO BRASIL NÓS SUCATEAMOS A NOSSA, JOGANDO-A NO LIXO.

É PRA CHORAR!!!

******************************************************


15/08/2008 - 09h42

ELIANE SILVA
da Folha de S.Paulo, na Suíça

Viajar em um moderno trem de janelas panorâmicas ou em vagões cabriolet (espécie de "conversível", disponível apenas no verão) pela quase centenária ferrovia suíça Albula-Bernina tornou-se um prazer com grife no mês passado.

A Unesco (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura) declarou a ferrovia patrimônio cultural da humanidade.

Eliane Silva/Folha Imagem

Trem percorre a linha da quase centenária ferrovia suíça Albula-Bernina, que foi declarada patrimônio cultural da humanidade
Poucas ferrovias no mundo receberam essa denominação.

Há dez anos, o título foi dado à Semmering Railway, na Áustria. Um ano depois, foi a vez da Mountain Railways, na Índia.

A decisão do processo da suíça Albula-Bernina, iniciado há mais de dois anos, saiu no mês passado. A Unesco também incluiu uma área de 300 km2 dos Alpes, em volta do pico Sardona, na relação de patrimônios culturais do mundo.

Ferrovia de montanha, ela foi inaugurada em 1910, tem 385 km e é considerada uma obra de arte de engenharia. É percorrida por duas das mais importantes rotas panorâmicas da Suíça, a Glacier Express (www.glacierexpress.ch) e a Bernina Express (www.rhb.ch/Bernina-Express.33.0.html).

A ferrovia, transnacional, corta a Suíça, partindo de Thusis, nos Grisões, até a italiana Tirano. No trajeto, cruza 52 pontes e 13 túneis de pedra na direção de Bernina e 144 pontes e 42 túneis rumo a Albula.

A reportagem da Folha cruzou alguns cantões da Suíça a bordo dos trens das duas linhas. A Glacier Express tem como sua principal estratégia de marketing o trem expresso mais vagaroso do mundo.

Durante sete horas e meia, o turista viaja de Zermatt a Davos ou St. Moritz, com direito a paisagens de sonho, que incluem castelos, igrejas, túneis, montanhas geladas e o desfiladeiro de Oberalp, encravado a 2.033 metros de altitude.

A Bernina Express atravessa os Alpes suíços, passando por grandes geleiras, pequenas vilas rurais, lagos com palmeiras, enormes viadutos de pedra e alturas estonteantes, como a do desfiladeiro de Bernina, que tem 2.253 metros de altitude. O trem parte de Chur, passa por St. Moritz, pela charmosa Poschiavo e chega a Tirano.

Além da comodidade de viajar com um passe único, o turista dispõe de um serviço de bordo que oferece desde comprinhas variadas de perfumes, relógios, jóias e suvenires até um jantar romântico com vinho.

ELIANE SILVA viajou a convite da Switzerland Tourism e da companhia aérea Swiss

http://www1.folha.uol.com.br/folha/turismo/noticias/ult338u433506.shtml

4 comentários:

Livia Matsumoto disse...

Sou a favor das ferrovias também. Ainda mais com o visual lindo que temos no Brasil, seria maravilhoso poder viajar e ainda apreciar essa natureza toda!

Saulo Cesar Silva disse...

Olá, Lívia!
É bom saber que a moçada consciente valoriza nosso patrimônio. Precisamos manifestar essa consciência...
Um abraço e obrigado pela visita!!

Dalinha Catunda disse...

Está na hora do Brasil entrar nos trilhos e assumir este meio de transporte que certamente favoreceria boa parte de nossa nação.
Dalinha Catunda

Saulo Cesar Silva disse...

Prezada Dalinha,
Você já viu os vídeos que organizei sobre a música popular brasileira e a temática dos trens?
Se houver interesse, entre na página do blog e acesse: Música sobre trilhos.
Um abraço

Saulo